US$ 350 por um besouro

julho 1, 2008

O empresário colombiano German Viasus, de 36 anos, encontrou um mercado lucrativo e emprega, atualmente, oito pessoas. Ele cria besouros gigantes em sua terra natal e os exporta para o Japão, onde existe uma “mania de besouro” – “beetlemania”, em inglês, segundo reportagem do Los Angeles Times. O negócio, autorizado tanto pelo governo japonês como pelo colombiano, é lucrativo. Viasus envia cerca de 300 besouros gigantes por mês ao Japão, que são vendidos em pet shops por cerca de US$ 350 cada. Há espaço para crescer. O empresário diz que poderia vender mil insetos por mês se tivesse essa quantidade disponível.

Anúncios

A economia vem do leite

março 20, 2008


O Castelo de Wapnö, na Suécia, diminuiu suas contas de energia em R$ 400.000 por ano depois que passou a usar leite de vaca para aquecer a antiga edificação do século 18. Os 30.000 litros de leite retirados diariamente das 1.100 vacas do castelo saem de seu ambiente natural a 37 graus. Logo em seguida passam por um resfriamento e chegam a baixos três graus, para que durem mais tempo. A idéia do gerente do castelo consiste em aproveitar o calor que sai do processo de resfriamento e usá-lo no sistema de aquecimento. A engenhoca é formada por um equipamento de resfriamento de leite que produz calor e um trocador de calor. Através desse último, o ar quente produzido no processo é transformado em água quente. A água, por sua vez, é bombeada para as tubulações do sistema de aquecimento e abastecimento de água quente do castelo. Ufa. Parece trabalhoso, mas funciona e ainda gera economia. Antes, eram necessários 17 metros cúbicos de combustível para aquecer o castelo. Agora, o antigo boiler foi desativado. Já existem planos para a construção de um hotel próximo ao castelo que usaria o novo sistema, pioneiro na Suécia. Para a o empreendimento hoteleiro a engenhoca significaria uma economia de aproximadamente R$ 790.000 por ano. O meio ambiente também agradece.

A notícia completa pode ser lida no site da BBC Brasil.